Resenha de "Balanço"

/
2 Comments
Por Rodrigo Silva
(Pesquisador voluntário do PROLIJ)


Em um livro de causar impacto ao olhar, com capa dura em tecido e no formato vertical, Balanço é daqueles textos e imagens que nos levam a um leve passeio por entre coisas simples, mas profundas. Diferentemente, de muitos textos que circulam por aí, trazendo apenas belezas aos olhos e de conteúdo vazio, Balanço poeticamente une o belo ao suave encanto das palavras.
Tudo pode ser em um parque, em uma praça, ou quem sabe em um balanço, que vai pra lá e pra cá, que vai e vem trazendo sonhos e encantos. Assim é o menino que ilustra esta história, que na verdade, não parece história, mas que ao balançar-se vai tecendo conosco suas viagens, seus sonhos e suas fantasias, querendo colher estrelinhas perdidas com o capuz do casaco, ele acaba nos levando junto. E nas idas e vindas ele traz consigo o azul do céu, a lua, e a noite que se aproxima, e com isso acaba deixando sua marca lá no alto...
Balanço é isso, é poético e simples, traz consigo a liberdade nas palavras e no azul das imagens, nos permite a liberdade do vai e vem do pensamento, permite imaginarmos a cidade silenciosa, que vai se apagando aos poucos, e enxergar o descanso de tudo. Em dias tão tumultuados, Balanço faz-nos PARAR e conseguir isso hoje em dia parece ser muito difícil. Experimentar ouvir o assobio da brisa em um balanço, assim como um pêndulo azul, azul; é ver, que parar é muito bom.

 FICHA TÉCNICA:

Obra: Balanço
Autor: Keiko Maeo
Tradudor: Diogo Kaupatez
Editora: Cosac Naify



Posts relacionados

2 comentários:

Í.ta** disse...

que bonito isso!

Silmara disse...

Parabéns.
Sucesso sempre.

Tecnologia do Blogger.