segunda-feira, 23 de junho de 2014

O mundo feérico e suas releituras na contemporaneidade

 Por Eliane Santana Dias Debus

Quem de nós não tem guardado em sua memória de leitura alguma narrativa feérica, localizada num tempo não marcado do “Era uma vez... e num espaço indefinido de “um lugar muito distante”, envolvendo personagens heroicos, que superam obstáculos auxiliados por seres mágicos? Chapeuzinho Vermelho, Branca de Neve, Cinderela... Narrativas recolhidas da tradição popular, em particular por Charles Perrault e pelos Irmãos Jacob e William Grimm, e que circulam há muito e que fazem parte da memória coletiva de gerações.
Muitas dessas narrativas, conhecidas como Contos de fadas, colaboraram para a solidificação do cenário da literatura infantil e juvenil nos últimos trezentos anos e, ao longo dos últimos anos, numa tendência mundial, foram revisitadas, recebendo nessa revisita várias denominações “conto de fadas modernos”, “Reconto” (categoria utilizada pela FNLIJ), entre outros. Nesse cenário, muitas vezes, o enredo das histórias e as ações das personagens são travestidos de uma roupagem contemporânea.
São estes dois espaços de tempo: o ontem das narrativas tradicionais e o hoje das releituras contemporâneas dessas narrativas, que Sueli Cagneti visita em seu Leituras em contraponto: novos jeitos de ler (2013). No entanto, sua entrada no tema não se faz de surpresa, pois, há muito, a pesquisadora catarinense se debruça sobre as narrativas encantatórias do era uma vez, já que os dez ensaios que compõem o livro foram publicados entre os anos de 1997 a 2010, em Anais de eventos nacionais e internacionais, jornais e revistas, revisados e atualizados pela autora para esta nova publicação.
O fio teórico que a conduz por essa visita é o da pós-modernidade, compreendendo e situando os leitores crianças no mundo contemporâneo, que exige não meros repetidores dos textos lidos, mas criadores desses. Desse modo, Cagneti contextualiza as narrativas recolhidas por Charles Perrault, Irmãos Grimm e contadas por Andersen, apresentando os contrapostos das releituras de hoje.
No primeiro ensaio, “A Literatura Infantil e juvenil e a nova concepção de leitor”, a autora discorre sobre a importância de se pensar a concepção do leitor contemporâneo, imerso no mundo globalizado e tecnológico, que exige uma postura crítica diante do lido, exigindo uma competência de leitura que ultrapasse a esfera da repetição. A proposta é que esse novo leitor adentre a realidade distanciada das narrativas dos contos de fadas em contraponto com as releituras atuais. Desse modo, são apresentados e analisados o conto de Guimarães Rosa Fita verde no cabelo e o livro Tem livro que tem, de Fa Fiuza; valendo lembrar que o diálogo entre linguagem verbal e pictórica não escapa da leitura atenta de Cagneti, que o apresenta como um componente fundamental do livro infantil.
Em “Perrault e os contos da mamãe gansa”, rapidamente, a pesquisadora contextualiza a recolha das primeiras narrativas feéricas e seus principais autores. No terceiro ensaio, “Ler: um ato ultrapassado”, são apresentadas várias releituras do clássico Chapeuzinho Vermelho, como: A verdadeira história da Chapeuzinho Vermelho, de Patricia Guiwnner; Mamãe trouxe um lobo para casa, de Rosa Amanda Strauz; Chapeuzinho Amarelo, de Chico Buarque; Fita verde no cabelo, de Guimarães Rosa; o conto o Caçador, de Flávio de Souza; e Chapeuzinho vermelho em Manhattan, de Carmen Martín Gaite, além do filme noir de Jô Soares, O Chapeuzinho Verde. As narrativas são analisadas contrastivamente em relação ao conto tradicional e elencadas como possibilidades de ampliação do repertório do leitor.
No quarto ensaio, “O desemboloramento dos personagens clássicos infantis: uma sugestão lobateana”, o mote é a estratégia lobateana de introduzir, nas aventuras do Sítio, as personagens do mundo maravilhoso em busca de novos ares, fugindo do bolor do livro da Dona Carochinha. Cagneti apresenta várias versões contemporâneas de Cinderela.
No quinto ensaio, “Personagens clássicos e escola: novas possibilidades de leitura”, o conto em evidência é O rei sapo, em contraponto com as releituras de títulos de autores brasileiros (Eva Furnari e Maurício Veneza) e autores estrangeiros (Jon Scieska e Bebette Cole). Em “Emília e Pinóquio: de bonecos infantis a seres conscientes”, a autora faz um contraponto entre as personagens Emília, de Monteiro Lobato, e Pinóquio, de Collodi, apresentando uma tabela comparativa entre ambos.
No sétimo ensaio, “Um lobo nem sempre mau: a pós-modernidade e suas inversões”, a autora traz à cena várias releituras do personagem Lobo Mau em livros infantis e uma história em quadrinho, de Maurício de Souza. No oitavo ensaio “Cinderela: do sapatinho de cristal ao salto pós-moderno”, o conto Cinderela reaparece em contraponto com releituras contemporâneas; e o príncipe encantado reaparece no nono ensaio: “Príncipes de ontem e de hoje: como os heróis se transformam”.
O último ensaio “O hibridismo e o humor nos livros para crianças e jovens” inicia com a releitura da fábula A cigarra e a formiga, destacada no livro Frederico, do italiano Leo Lionni, mas segue levando em conta o diálogo entre o texto e a ilustração e o componente gráfico nos livros Vizinhos, vizinha, de Roger Mello; Ida e Volta, de Juarez Machado; e História de amor, de Regina Coeli Rennó.
Embora, em alguns momentos, os títulos reapareçam em ensaios distintos, suas leituras são diferenciadas e colaboram para redimensionar a presença das narrativas feéricas na contemporaneidade.
O livro Leituras em contraponto: novos jeitos de ler, que tem na quarta capa a apresentação de Nelly Novaes Coelho, por certo será bem recebido pelos profissionais da área da Educação e Letras, que encontrarão nele reflexões relevantes para a prática pedagógica da leitura literária em sala de aula.

Obra: Leituras em contraponto: novos jeitos de ler.
Autora: Sueli de Souza Cagneti
Editora: Paulinas
Ano:2013

Resenha originalmente publicada em: "Revista Contraponto", vol.14, n.1, 2014. (univali.br/seer/index.php/rc/article/view/4899)

sexta-feira, 30 de maio de 2014

sábado, 5 de abril de 2014

Vida e morte: forças que se alternam e se completam


Por Sueli de Souza Cagneti

Poeticamente escrito e ilustrado Frederico é a história do amor que – às vezes – pela vida – acontece.
Caído no ninho, com fome e cansado, um pequeno pássaro tem sua solidão agasalhada pelas mãos de uma menina com quem passa a dividir seus dias.
Mais que um belo livro, de literariedade indiscutível e de imagens suaves e – ao mesmo tempo – impactantes, Frederico é uma encantadora metáfora da morte acolhida com respeito e beleza. Ao ressignificá-la, aponta para uma dimensão nova tanto para quem parte como para o espaço que acolhe quem partiu.
Nesse livro, embora endereçado às crianças, fala com pessoas de todas as idades, as palavras “morte” e “cemitério” são sinônimos de desabrochamento e aconchego. Tudo que nosso olhar ocidentalizado está carente para melhor ver e aceitar a nossa condição de finitude e de urgência permanente de outro.
Leitura mais do que recomendável, portanto.

Obra: Frederico
Autora: Hellenice Ferreira
Ilustradora: Martha Werneck
Editora: Escrita Fina
Ano: 2013

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Convite: Defesa Dissertação de Mestrado

        Com muito prazer, o PROLIJ convida todos para prestigiarem a Defesa da Dissertação de Mestrado de mais uma prolijiana. 

        

        Parabéns, Luciane! Estamos torcendo por você.

sábado, 8 de fevereiro de 2014

O grande líder: Madiba



A partir de amanhã, será preciso mudar tudo no país,
unidos, sem ódio e sem espírito de vingança. (SERRES, 2012, p. 49)

Luciane Piai

         O autor Alain Serres e o ilustrador Zaü, ambos franceses, apresentam a obra: Mandela: o africano de todas as cores; um livro biográfico do maior líder africano e do mundo nos últimos tempos. No Brasil, a obra foi editada em 2013, ano de sua morte, ocorrida em 5 de dezembro.
 Serres conta toda a história de Mandela, do nascimento até depois do exílio. Inicia sua narrativa em 1918, ano de nascimento do menino Rolihlahla, na aldeia de Mvezo, na África do Sul. No primeiro dia na escola seu nome é alterado para Nelson Mandela, pois recebe um nome cristão e britânico. Ele sempre foi um aluno aplicado, forma-se em Direito em 1951, um dos primeiros advogados negros de Joanesburgo.
          O livro dá detalhes da história de luta de Mandela, suas primeiras batalhas contra o apartheid, e os vinte e sete anos de prisão. Enfim, Mandela é um homem livre no dia 10 de fevereiro de 1990, começa, então, outra grande luta – mudanças em seu país, como a implantação de novas leis, respeitando todos com igualdade. Em 27 de abril de 1994, acontecem as primeiras eleições livres no país, pela primeira vez os negros votam. No dia 10 de maio do mesmo ano, Mandela é o presidente da República. “Manifesta seu orgulho por dirigir ‘uma nação arco-íris, em paz consigo mesmo e com o mundo’.” (SERRES, 2012, p. 60)
Leitor, essa obra é uma daquelas que nos pega de jeito, que nos torna mais humanos e sensíveis a grandes causas como fez o líder Madiba.
A obra possui uma seção “Para compreender melhor”, na qual há um mapa da África do Sul e suas principais cidades, também explicações sobre: apartheid, CNA (Congresso Nacional Africano), colonização, economia, geografia, população, línguas e outros. E ainda, a cronologia de toda a sua história, algumas fotos significativas de momentos que marcaram a sua vida ou a do seu país. Por último o poema preferido de Nelson durante seu período na prisão: “Invictus”, do poeta britânico Willian Ernest Henley, escrito em 1875.
                                           
FICHA TÉCNICA:

Obra: Mandela: o africano de todas as cores
Autor: Alain Serres
Ilustrador: Zaü
Tradução: André Telles
Editora: Zahar

Ano: 2012

sábado, 25 de janeiro de 2014

Diálogos Brasil-África apontam caminhos para a mediação de novas produções infantis e juvenis




Por Luciane Piai
           
A obra Literatura infantil juvenil: diálogos Brasil-África, de Sueli de Souza Cagneti e Cleber Fabiano da Silva, publicada pela Autêntica, em 2013, vem diretamente ao encontro de nossa realidade brasileira. Enfim, parece que a Lei 10.639/2003 começa a ser vivenciada. Percebe-se, atualmente, uma grande quantidade de livros infantis e juvenis com a temática africanidade chegando mensalmente nas prateleiras das livrarias e das bibliotecas das escolas, faltando, porém, repertório para que as obras sejam trabalhadas em sua amplitude. Eis um livro que vem contribuir pioneiramente para a difusão e a exploração de obras voltadas para a temática em questão por aqueles que pretendem mediá-la, em especial, com crianças e jovens.
Os autores são experientes na área de literatura infantil e juvenil, e somente isso já é motivo para essa leitura teórica. Não bastasse, são “cri-ativos” quando trazem à tona a temática afro em forma de diálogo, compreensível aos discentes, aos docentes e aos interessados em ser sensibilizados para uma “trans-formação”, para um homem mais “cons-ciente”. Como se sabe, a história cultural brasileira ficou alheia à cultura afro no Brasil durante anos, todavia, esta última - por ser a essência de pessoas fortes e sábias - resistiu e se infiltrou nos diversos cantos das terras tupiniquins.
O livro apresenta e analisa algumas obras literárias com essa temática para possíveis leituras, tanto no campo verbal como no visual, instigando à percepção do que se encontra nas bordas, nas entrelinhas, nos intertextos e nas metáforas, por diferentes ângulos e em contextos ampliados. Tal proposta sugere uma mudança de pensamento em relação ao negro, ressignificando olhares sobre ele.
As intenções dos autores estão claras, pois ressaltam que a obra é um material de apoio ao professor, ao selecionar os livros, como também, a apontar a importância da mediação do docente em sala de aula.
 Vale lembrar que o prefácio foi escrito pelo Dr. Reginaldo Prandi, professor da USP, sociólogo, escritor e pesquisador com ênfase nas religiões afro-brasileiras.
Essa é leitura acertada!
                                                             
FICHA TÉCNICA:
Obra: Literatura infantil juvenil: diálogos Brasil-África
Autores: Sueli de Souza Cagneti e Cleber Fabiano da Silva
Editora: Autêntica
Ano: 2013

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Confraternização 2013

        No dia 1º de dezembro, primeiro domingo do advento, o novo lar de nossa querida Sueli Cagneti, na Praia Brava, recebeu os prolijianos para nosso tradicional amigo secreto, com direito a muita conversa, indicações de livros, carinho e sabores deliciosos de despedida e recomeço. 


        Após o delicioso almoço proporcionado pela coordenadora pelo seu aniversário e produzido pelo amigo Marcos, a prolijiana Áurea começou as festividades poéticas com a leitura de um texto próprio sobre o PROLIJ e seus membros.      


        Em seguida, a prolijiana e mestranda Luciane - que não participou do amigo secreto este ano - agradeceu toda dedicação de sua orientadora, presenteando nossa coordenadora. E também não ficou sem receber, Áurea com seu grande coração lhe trouxe um chocolatinho.


        O amigo secreto foi iniciado pela "dona do Prolij" que pegou nossa artista. Maria Lúcia ganhou os livros "Guaynê derrota a cobra grande", de Tiago Hakiy e "Os homens tristes", de Gustavo L. Ferreira e Paulo Vieira. 


        Maria Lúcia pegou a prolijiana colaboradora Ana e a presenteou com seu livro "A Narrativa Visual na Literatura Infantil Brasileira: Histórico e Leituras Analíticas" - que Ana ajudou a revisar - e o livro de contos "O casamento da Lua", da Ed. Boa Companhia.


       Ana, com um poema autoral, revelou que sua amiga secreta era a Rafaela e a presenteou com o livro "Canções", de Mario Quintana. 


        Rafaela pegou Sonia e lhe deu o elogiadíssimo livro do angolano Ondjaki "A Bicicleta que tinha Bigodes". 


     Sonia presenteou a Viviane com "A invenção de Hugo Cabret".

        
        Viviane presenteou Leandro com "Por que ler os clássicos", de Italo Calvino.


     Como não podia faltar, um amigo secreto repetido ocorreu. Leandro presenteou seu irmão Cleber com "Fábulas Selecionadas", de La Fontaine, com ilustrações de Calder. 


        Cleber, por sua vez, presenteou Áurea com "A mocinha do Mercado Central", de Stella Maris Resende e "Em busca do leitor literário", de sua autoria.

       Áurea, apesar de todos os desafios em seu caminho, conseguiu presentear Alcione com um lindo castiçal de advento.

        Para fechar o ciclo, desta vez sem trocas diretas, Alcione presenteou Sueli com um enfeite natalino para sua nova casa. 


        Como todo evento do Prolij, uma criança esteve entre nós, Gabriel, filho de Marcos, e não ficou sem receber um mimo. Também Marcos foi presenteado com "Pedro Pedreiro", de Fernando Vilela e Chico Buarque. Além de Sueli ganhar uma máscara da última viagem do Cleber e seu presente de aniversário dos prolijianos: dois jogos de copos e taças; afinal desejamos muitas realizações e brindes nesta nova fase. 




        O Prolij encerrou assim suas atividades de 2013 e deseja a todos boas festas!