Ao longo do terceiro bimestre da disciplina de Literatura Infantil Juvenil, a professora dra. Berenice Rocha Zabbot Garcia desenvolveu uma atividade com os acadêmicos do 2º ano de Letras, voltada para a criação de textos híbridos a partir da análise de obras infantis juvenis previamente selecionadas. Com uma resenha crítica e um vídeo, um dos trabalhos desenvolvidos pode ser conferido abaixo!

Amizade e aprendizagem

Andreza Moreira Martins 
Bruna Saramento Furlan
Suellen do Nascimento Silva 

O livro Pedro e Tina, de Stephen Michael King, publicado pela editora Brinque-Book narra a história de Pedro, que fazia tudo ao contrário. Suas linhas não saíam retas, e quando todos olhavam para cima, ele olhava para baixo. Contudo, ele se divertia por aí cheio de alegria. Um dia, ele encontra Tina e a partir daí, novas aventuras e aprendizagens estão para surgir.

A garotinha fazia tudo corretamente, mas lá no fundo ela não queria fazer tudo tão certinho. Apesar de suas diferenças, os dois se tornam grandes amigos. Ensinando um ao outro é que aprendem muitas coisas novas e até constroem juntos uma casinha na árvore!

As ilustrações dessa linda história são feitas pelo próprio autor, Stephen Michael King, e trazem com encanto cores e muita graça para a narrativa. A amizade dessas duas personagens cativantes retrata uma mensagem muito importante e especial para compartilhar e praticar!

KING, Stephen Michael. Pedro e Tina. São Paulo: Brinque-Book, 1999.



Além da resenha crítica, as acadêmicas produziram um vídeo com uma comparação do livro com os contos de fadas! 

Andreza Moreira Martins é graduanda em Letras (Língua Portuguesa e Língua Inglesa) pela Univille. Adora séries e músicas e é apaixonada pela gramática.

Bruna S. Furlan é graduanda em Letras na Univille e acredita que as palavras gentis são sempre a melhor escolha.

Suellen do Nascimento Silva é graduada em Letras (Língua Portuguesa e Inglesa) e acredita que em cada livro há uma possibilidade de conhecer mundos novos. 
Nicole Barcelos


O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, 
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia 
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia [...] 
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia 
E para onde ele vai 
E donde ele vem. 
E por isso, porque pertence a menos gente, É mais livre e maior o rio da minha aldeia. 
(Alberto Caeiro, in Fernado Pessoa, O Guardador de Rebanhos) 


Rio é vida. É também cama de canoa, espelho da lua, caminho de peixe e carinho de pedra, nas palavras de Leo Cunha em Um ria, um rio, publicado pela editora Pulo do Gato em 2016 – não ao acaso também no “aniversário” de um ano da tragédia de Mariana (MG), ocorrida em 5 de novembro de 2015. 

Dando voz a um rio (aqui sabemos se tratar do próprio Rio Doce), que é narrador e eu-lírico da poesia verbal e visual tecida em dolorosa harmonia por Cunha e André Neves, que assina a ilustração; a obra traduz o “indizível”. Pois, esse eu-lírico, olhando para seu próprio passado, presente e futuro de uma terceira margem, lança nova luz sobre essa tragédia que levou, essencialmente, toda a vida dentro, fora e às margens do rio.

Pois, é com gosto de doçura interrompida que o leitor acompanha, página a página, o rio se tingir de tons cada vez mais escuros, deixando o azul límpido e tranquilo até sangrar em vermelho amargo o fim das escolas, dos campinhos, dos trens, do riso das crianças, das festas de domingo e dos cantos dos ribeirinhos.

Ao final do livro, é essa bittersweetness que se pode sentir na boca, acompanhada de um aperto no coração, acalentados apenas pelo azul que volta a colorir as páginas da obra, pontuando a esperança de que esse rio, um dia, volte a ser o que já foi.


CUNHA, Leo. Um dia, um rio. Ilustr.: NEVES, André. São Paulo: Pulo do Gato, 2016.



Nicole Barcelos é graduanda em Letras na Univille (Língua Portuguesa e Língua Inglesa). Atua como bolsista do Prolij e vive se perdendo em buracos de coelho.
Nessa terça-feira (31/10) o 59º Prêmio Jabuti revelou seus vencedores para o ano de 2017. Entre os 87 premiados (de 1º, 2º e 3º lugar), destacamos dois livros das categorias infantis: "A Boca da Noite", de Cristino Wapichana (3º lugar na categoria de Livro Infantil) e "Adélia", de Jean-Claude Alphen (1º lugar na categoria Ilustração de Livro Infantil ou Juvenil). Venha descobrir que, talvez,  essas duas histórias tenham mais em comum do que a premiação que receberam e confira as resenhas delas abaixo!


Os Mistérios da Boca da Noite

Gabrielly Pazetto

A Boca da Noite, de Cristino Wapichana, com ilustrações de Graça Lima, lançado em 2016 pela editora Zit, acompanha as façanhas do indiozinho Kupai e seu irmão Dum. Juntos, eles descobrem os mistérios d’A Boca da Noite

Dum e Kupai, dois curumins, ouvem, sob a luz da fogueira, a história da Boca da Noite, e ficam imaginando como seria esta tal boca, afinal, “se tem boca, deve haver um corpo!”. E, morrendo de medo, sonham, ou melhor, perdem o sono, pensando que aquela boca enorme e cheia de dentes pode devorá-los. 

A escrita de Wapichana envolve. Cheia de diálogos e reflexões narradas em 1ª pessoa, o escritor consegue transmitir a cultura do povo Wapichana, criar personagens cativantes e ainda desenvolver uma história divertida e cheia de mistério, mas onde tudo acaba bem no final, pois “É a boca da noite que ajuda a manter o equilíbrio da vida na Terra e de todos os viventes”. 

As ilustrações de Graça Lima são uma obra de arte à parte. Em uma página, somos banhados pelo luar e a noite, em outra é o Sol que enche o livro do seu amarelo intenso. Enquanto Wapichana nos presenteia com a sua envolvente narrativa escrita, Graça Lima apresenta uma verdadeira composição de tons, texturas e traços, coroando a obra dos pequenos curumins. 

WAPICHANA, Cristino. A Boca da Noite. Rio de Janeiro: Zit, 2016.


La vie en rose

Nicole Barcelos

Em um mundo cinzento, pincelado timidamente de rosa e verde, vive Adélia. De dia, ela brinca com seus irmãos. À noite, porém, enquanto todos dormem, algo um tanto estranho acontece com a pequena personagem que dá nome à obra de Jean-Claude Alphen.

Publicada em 2016 pela editora Pulo do Gato, Adélia cria, em uma narrativa em que texto visual e verbal (ambos de autoria de Alphen) engendram relação simbiótica, uma deliciosa história sobre descobertas – tanto para sua protagonista quanto para o próprio leitor que a acompanha. 

Pois, nesse delicado livro, matizado pelas cores de seus personagens, somos conduzidos por entre as lacunas criadas pelos ditos e não-ditos, luzes e sombras lançados pelo narrador que propositalmente recorta a história com suas palavras e desenhos de modo a provocar felizes surpresas à cada virada de página. 

Singularmente singelo, Jean-Claude Alphen encanta com traços e verbos bem colocados nessa história em que, é certo, nada é por acaso.


ALPLHEN, Jean-Claude. Adélia. São Paulo: Pulo do Gato, 2016.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------

Gabrielly Pazetto é graduanda em Letras (Língua Porutuguesa e Inglesa) pela Univille, atua como bolsista no Prolij e faz dos livros que lê barcos de viagens inesquecíveis.

Nicole Barcelos é graduanda em Letras na Univille (Língua Portuguesa e Língua Inglesa). Atua como bolsista do Prolij e vive se perdendo em buracos de coelho.
Nas últimas semanas, o nosso Correio Literário realizou suas entregas do ano de 2017! Projeto idealizado entre 2015/2016 pelo então bolsista e acadêmico de Administração, Dino Cataldo, o correio foi abraçado pelo Prolij como uma iniciativa que visa disseminar, mesmo que pontualmente, a leitura entre crianças e jovens.

Pois, em um sistema semelhante ao de um correio, as obras literárias previamente selecionadas seguiram, embrulhadas, para seus destinatários pelo intermédio de "carteiros". Os títulos são desconhecidos daqueles que os recebem, sendo que vão acompanhados de uma carta ao (possível) leitor, que explica o propósito da intervenção. A partir de então, os livros passam a pertencer a essas pessoas, que podem passá-los adiante (caso desejarem).

A ideia é que essas pessoas possam desfrutar das obras doadas e compartilhar a leitura com seus colegas, familiares e quem mais lhes interessar. Neste ano, como no ano passado, os destinatários da intervenção foram estudantes da educação básica.

Por isso, os "carteiros", nesse caso, foram acadêmicos voluntários, bolsistas do PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência) dos subprojetos de Letras, Pedagogia e Interdisciplinar, que tem contato com as escolas, os professores e os alunos que foram atingidos pelo projeto - e que já os conheciam previamente.

Neste ano, a ponte estabelecida pelos pibidanos se deu nas Escolas de Educação Básica Professor João Martins Veras, Giovani Pasqualini Faraco e Bailarina Liselott Trinks, e nas Escolas Municipais Rosa Maria Demarchi Berezoski e Maria Magdalena Mazzolli.



Ao longo do terceiro bimestre da disciplina de Literatura Infantil Juvenil, a professora dra. Berenice Rocha Zabbot Garcia desenvolveu uma atividade com os acadêmicos do 2º ano de Letras, voltada para a criação de textos híbridos a partir da análise de obras infantis juvenis previamente selecionadas. Um destes trabalhos podem ser conferidos abaixo!

Por que pipi não evapora?

Evelin de Freitas Costa
Felipe Poffo Moraes
Suzana Lima
Wellington Vojniek

Um pipi choveu aqui, escrito por Sylvia Orthof e publicado pela editora Global, narra, em estrutura poética, a história de um menino chamado Pedro Pedroca que assiste a uma aula expositiva que trata do processo climático da chuva. No momento em que a professora, Dona Carola, muito antiga na escola, explica o processo da chuva, Pedro Pedroca vai sentindo uma vontade enorme de fazer pipi e levanta a mão pedindo permissão para ir ao banheiro. Dona Carola, que não admite ser interrompida, não dá permissão ao garoto. 
Ele pensa, então, que fazer uns pinguinhos de xixi o deixará aliviado e conseguirá esperar até o final da explicação. No entanto, ao liberar esses pretensos pinguinhos, o garoto solta toda a urina e molha todo o chão e toda a roupa. Nesse momento, ele faz uma analogia da chuva que se evapora com seu xixi, chuva que sai da gente, mas a professora, numa atitude de intolerância completa, expulsa Pedro Pedroca da sala de aula. O garoto sai da sala de aula chateado e, ao sair da escola, começa a chover. Pedro pensa: "seu xixi evaporou e virou chuva e essa chuva vai molhar Dona Carola, vai inundar a escola e com isso se sentirá vingado". Sua vingança é imaginar Dona Carola “montada num quadro-negro”, toda encharcada, “a velha Carola” e se a chuva for amarela, “bem-feito pra ela”. 
A história abre diferentes possibilidades de interpretação, sendo assim, é um rico material para ser trabalhado em sala de aula com o gênero poesia, uma vez que é uma narrativa rica em rimas.


ORTHOF, Sylvia. Um Pipi Choveu Aqui. São Paulo: Global Editora, 1991.



Além da resenha crítica, os acadêmicos produziram um material comparando a obra de Ziraldo, Uma Professora Muito Maluquinha, com a obra de Sylvia Orthof, Um Pipi Choveu Aqui, e também produziram um vídeo contando a história do livro. 


"Porque ela viaja nos livros e se encontra nas palavras, Evelin" (Estudante de Letras - Português e Inglês na Univille)

Felipe de Moraes Poffo é graduando em Letras (Língua Portuguesa e Inglesa) pela Univille. Desbravador das duas línguas, torce por um acaso entre ambas. 

Suzana Lima é graduanda em Letras (Língua Portuguesa e Língua Inglesa) pela Univille, atua como bolsista no Colégio Univille, trabalhando com os alunos de inclusão. Faz dos livros seus melhores amigos e seu refúgio mais encantador. 

Wellington Luiz Vojniek, graduando em Letras (Língua Portuguesa) é militante da poesia, amante das artes e apaixonado por música, inclusive pelos seus instrumentos que não 
Durante os dias 5 e 6 de Outubro, o Itaú Cultural promoveu o 2º Mekukradjá: Círculo de Saberes, em São Paulo. O evento tem como missão falar sobre o papel do indígena no Brasil atual. Neste ano de 2017, as discussões foram orientadas por três temas principais: a Língua, a Terra e o Território.

O Mekukradjá (palavra de origem caiapó – povo indígena do Mato Grosso e do Pará – que significa “sabedoria”) teve curadoria de Daniel Munduruku e Junia Torres e contou com momentos de exibição de filmes, mesas redondas, oficinas e muitos debates sobre o indígena no Brasil. O evento teve presença de artistas, lideranças, pesquisadores e estudiosos indígenas ou da cultura indígena nos  seus dois dias.

Alcione Pauli e Daniel Munduruku durante a oficina "Literatura Indígena", no dia 06 de outubro
Na ocasião, o Prolij foi representado pela pesquisadora Msc. Alcione Pauli, que ministrou a oficina Literatura Indígena com o escritor Daniel Munduruku, e conta: "No encontro partilhamos de momentos para pensar, construir e desconstruir conceitos sobre os povos indígenas e suas escritas”. Mestre em Patrimônio Cultural e Sociedade pela Univille, a pesquisa da professora Alcione é justamente voltada aos escritos dos povos indígenas, através da sua literatura (e, principalmente, da literatura infantil juvenil).
Ao longo do terceiro bimestre da disciplina de Literatura Infantil Juvenil, a professora dra. Berenice Rocha Zabbot Garcia desenvolveu uma atividade com os acadêmicos do 2º ano de Letras, voltada para a criação de textos híbridos a partir da análise de obras infantis juvenis previamente selecionadas. Consistente em uma resenha crítica da obra e uma leitura comparativa analisando sua relação com contos de fada, o resultado de um dos trabalhos desenvolvidos pode ser conferido abaixo!


Tal pai, tal filho

Barbara Fernandes Correa
Débora Schoenhals
Denise Cristina Kniess
Larissa Chaves
Mariana da Rocha Coutinho
Naara Éldany Costa

Cara de um, focinho do outro, escrito por Guto Lins, publicado no ano de 1994 pela editora FTD, é um livro que consegue, com vocabulário simples e jogos de palavras, tratar de um assunto complexo e cada vez mais comum: relacionamento entre pais e filhos. O escritor e ilustrador demonstra simplicidade para contar uma história cujo tema central tem uma certa carga pesada, principalmente quando se trata de um assunto comum na vida de muitas crianças. 
A obra de Guto Lins se propõe a ser humana, pois dá espaço a sensações em todos os leitores, seja nas crianças ou nos adultos. Além disso, desafia-nos a pensar que ainda existe o perdão e a oportunidade de recomeço, revelando que as relações entre pais e filhos podem se descomplicar. 
O jogo da palavra “cara” e seus diversos significados, as rimas, os ditados populares e a leveza na construção de uma mensagem tão complexa fazem com que a obra não tenha público alvo específico (apenas as crianças), pois mexe com o imaginário e sentimentos de todas as faixas etárias. 
O bom resultado do livro não se dá pela quantidade de recursos, pois a proposta de dar espaço para sensações e memórias afetivas é maior que os recursos visuais. O texto vem acompanhado de uma narrativa visual que nos instiga a acompanhar mais uma história, sendo assim, temos, no livro, uma dupla leitura, com imagens que transcendem palavras. 
Imperdível, engraçado e criativo, Cara de um, focinho do outro é um livro indicado para crianças, podendo, contudo, ser adorado por todos que gostam de viajar e refletir com uma leitura simples e divertida.



LINS, Guto. Cara de Um Focinho do Outro. São Paulo: FTD, 1997.

Além da resenha crítica, as acadêmicas desenvolveram uma revista eletrônica, apontando as semelhanças entre a obra lida e contos de fada, além de trazerem entrevistas, textos críticos e ilustrações. A revista pode ser acessada clicando na imagem abaixo!



Barbara Fernandes Correa é graduanda em Letras na Univille (Língua Portuguesa e Inglesa) e em suas poucas horas vagas reina sobre o mundo dos sonhos e devaneios. 

Débora Schoenhals é graduanda em Letras (Língua Portuguesa e Inglesa). É apaixonada pela arte, música, design e literatura, mas queria mesmo era ser uma mestre Pokémon.

Denise Cristina Kniess é graduanda em Letras (Língua Portuguesa e Inglesa) pela Univille, já fez Engenharia Ambiental só para ver no que dava, mas se rendeu aos encantos da vida em sala de aula. É vegana há 11 anos, adora coisas fofinhas e gatinhos.

Larissa Chaves de Souza é graduanda em Letras na Univille (Língua Portuguesa e Inglesa). Apaixonada pelas gramáticas e amante dos livros. 

Mariana Coutinho é graduanda em Letras (Língua Portuguesa e Inglesa) pela Univille. Ama a comunicação e as relações interpessoais e tenta fazer da vida uma trajetória rica em experiências e aprendizados.  

Naara Éldany: graduanda em Letras (Língua Portuguesa e Inglesa). Musicista, narniana e poeta.

Em 2016, o Prolij fomentou o surgimento de um projeto vinculado chamado Nastácias&Gepetos: criando bonecos com vida!, coordenado pela graduanda em Letras e então bolsista do programa, Cymara Scremin Schwartz Sell. O projeto visava a criação e confecção de bonecos de pano representando personagens da literatura infantil juvenil, a serem distribuídas em escolas e em projetos sociais, para incentivar a leitura e a contação de histórias. Esse processo criativo foi desenvolvido inteiramente por voluntários, graduandos e egressos de Letras, que dedicaram uma tarde semanal ao desenvolvimento de desenhos, moldes e costuras!

Ao final do ano, o projeto havia desenvolvido alguns materiais internos e também um material para a distribuição a escolas e instituições sociais: o "kit" d'A Bolsa Amarela. Pois, inspiradas pela história de Lygia Bojunga, em que Raquel começa a guardar suas vontades em uma bolsa amarela de segunda mão, nossas Nastácias e Gepetos deram vida às suas próprias versões de bolsas e do galo Afonso, como o intuito de criarem, assim, "objetos mágicos" para incentivar a leitura e contação de histórias.

Desse modo, neste ano de 2017, foram procuradas instituições a que se doar esse material, sendo escolhidas: o Espaço Criativo Julio Emílio Braz, um projeto social que desenvolve atividades voltadas para o incentivo à leitura e à socialização com crianças no bairro Jardim Paraíso, e a própria Biblioteca Infantil Monteiro Lobato do Colégio Univille, anexo ao campus Bom Retiro da Universidade.

As entregas se deram em 30 de junho e 27 de setembro, e, agora, bolsa e galo ficam nesses espaços para fazerem despertar vontades em leitores em formação, de acordo com as propostas de cada mediador de leitura que deles utilizar! Com eles foram nossa vontade, porém, de fazer crescer o interesse pela leitura e pelo literário, e o encanto pela magia que uma "simples" bolsa pode provocar!

A Bolsa Amarela e Galo Afonso, material desenvolvido pelo grupo Nastácias&Gepetos.


Professora Berenice Rocha Zabbot Garcia entrega a Bolsa Amarela e o galo Afonso para Mariza Schiochet, representante do Espaço Criativo Julio Emílio Braz, no dia 30 de junho, na Biblioteca Pública Rolf Colin.

Professora Berenice Rocha Zabbot Garcia entrega a Bolsa Amarela e o galo Afonso à Kauane Cambruzzi, bibliotecária na Biblioteca Infantil Monteiro Lobato, no dia 27 de setembro no Colégio Univille.

Nicole Barcelos

Existem algumas regras para se ser um bom vizinho: não fazer barulho de manhã cedo ou tarde da noite; cumprimentar os outros moradores ao dividir o elevador; e manter, ao que parece, sempre muita discrição, e não incomodar nunca, em hipótese alguma, ninguém! Assim parecem pensar, ao menos, os pais da protagonista de O meu vizinho é um cão, que se chocam com a chegada dos novos vizinhos de prédio que não são nada comuns. 
Originalmente publicado em Portugal pela Planeta Tangerina, no Brasil, o livro ganhou edição da extinta editora Cosac Naify no ano de 2010. Nele, o leitor acompanha uma das moradoras do prédio em que se desenrola toda essa história, e a chegada de cada novo vizinho que vem ocupar os apartamentos vazios. 
Primeiro chega o cão, com suas caixinhas e caixões, espalhando pelo no prédio e tocando seu saxofone. Depois, um par de elefantes cujo “dar de trombas” parece pouco usual. Por fim chega o jacaré, aparentemente ameaçador, mas de muito bom coração. Enquanto a menina se encanta por cada um deles, seus pais reprovam as atitudes dos novos inquilinos, não vendo o que ela vê de bom nas diferenças de cada novo vizinho. Em um momento, assim diz o texto de Isabel Minhós Martins:

“No outro dia disse aos vizinhos: 
‘Não acham esquisito que os meus pais vos achem esquisitos?’ 
Ao que eles responderam imediatamente: 
‘Os teus pais é que são esquisitos!’.
‘Olham-nos de cima a baixo’, queixou-se o cão. 
‘E sempre com um ar superior’, disseram os elefantes” 

Com texto visual de Madalena Matoso em tons de rosa, vermelho e azul (muito premiado, aliás), a história tem certo tom de fábula às avessas, afastando o leitor de uma moral fechada em si mesma e, pelo contrário, abrindo a possibilidade de se olhar para o outro com novos olhos.

MARTINS, Isabel Minhós. O meu vizinho é um cão. Ilustr.: MATOSO, Madalena. São Paulo: Cosac Naify, 2010.


Nicole Barcelos é graduanda em Letras na Univille (Língua Portuguesa e Língua Inglesa). Atua como bolsista do Prolij e vive se perdendo em buracos de coelho.
Ao longo do terceiro bimestre da disciplina de Literatura Infantil Juvenil, a professora dra. Berenice Rocha Zabbot Garcia desenvolveu uma atividade com os acadêmicos do 2º ano de Letras, voltada para a criação de textos híbridos a partir da análise de obras infantis juvenis previamente selecionadas. Consistente em uma resenha crítica da obra e uma leitura comparativa analisando sua relação com contos de fada, o resultado de um dos trabalhos desenvolvidos pode ser conferido abaixo!

“Mamãe, e o meu beijo?”

Ana Luíza Busnardo
Beatriz Maria Eichenberg
Flavia Schlogl
Gabrielly Pazetto
Luana Simão
Tamara Gericke
Thiago Túlio Pereira

Um beijo é, sem dúvidas, um dos maiores atos de afeto que dois seres podem demonstrar, um em relação ao outro. Seja de amor, amizade ou companheirismo, deixar de recebê-lo é um tanto quanto desconfortável, e é isso que acontece na obra "O Beijo", da escritora e ilustradora Valérie D’Heur: uma pequena ave, após receber instruções de sua mãe para mais um dia, espera por um beijo de despedida, mas a mãe, muito apressada, não o dá.
É interessante observar como a autora traz a perspectiva da contemporaneidade para o texto, pois o narrador-personagem fala sobre sua mãe: “Estava muito apressada hoje”, manifestando, assim, a realidade de muitos pais e mães que esquecem diariamente dos filhos-aves.
Após ter seu beijo esquecido, a pequena ave vai em busca de algum outro animal que possa lhe beijar, e passa pela girafa, a avestruz, um felino, mas acaba mesmo é criando laços com o rinoceronte, o que é bastante interessante, pois a figura do rinoceronte é a personificação da força e também dos laços familiares, já que a fêmea do rinoceronte permanece com o filhote por vários anos.
Para coroar a composição, a autora traça ilustrações que brincam com tons pastéis e com o ambiente da savana, fazendo da experiência do leitor ainda mais intensa e divertida.




D’HEUR, Valérie. O Beijo. São Paulo: Brinque-Book, 2003.

Além da resenha crítica, os acadêmicos desenvolveram um blog com diversos textos apontando semelhanças entre a obra lida e contos de fada, além de trazerem aspectos da obra para a contemporaneidade. O blog pode ser acessado clicando na imagem abaixo!


Ana Luíza Busnardo é estudante de Letras (Português e Inglês), curte rock, fã de The Beatles, adora cachorros e fala Top!

Beatriz Maria Eichenberg é graduanda em Letras (Língua Portuguesa e Inglesa) pela Univille. Vive em meio à música e compõe canções que falam do coração.

Flávia Schlögl é estudante de Letras – Língua Portuguesa e Língua Inglesa e professora de Inglês em uma escola de idiomas. Está sempre viajando por uma série, um livro ou por uma música, mas ela sabe que o coração da vida é bom.

Gabrielly Pazetto é graduanda em Letras (Língua Porutuguesa e Inglesa) pela Univille, atua como bolsista no Prolij e faz dos livros que lê barcos de viagens inesquecíveis.

Luana Simão é graduanda em Letras na Univille (Língua Porutuguesa e Inglesa) e divide seu tempo vago lutando em batalhas épicas, governando reinos distantes e viajando pelo hiperespaço.

Tamara Gericke é graduanda em Letras (Língua Portuguesa e Inglesa) pela Univille, paulista, se vendeu na primeira mordida de chineque com farofa, prolixa, não sabe sintetizar as ideias, levou, por exemplo, dois dias pra escrever isso.

Thiago Túlio Pereira é Professor de Geografia e graduando em Letras pela Univille. Ama ler o Mundo através dos livros, das observações e das viagens, e escrever sobre essas leituras.
Nesse ano, de 2 a 4 de agosto, o Prolij (Programa Institucional de Literatura Infantil Juvenil da Univille) esteve na cidade do oeste paulista de Presidente Prudente para discutir as (trans) formações de leitores pelo texto literário no V Congresso Internacional de Literatura Infantil Juvenil do CELLIJ (Centro de Estudos em Leitura e Literatura Infantil e Juvenil "Maria Betty Coelho Silva"). O programa já havia participado do evento em 2004, também em Presidente Prudente, casa do CELLIJ (vinculado à Universidade Estadual Paulista, UNESP), então ainda com 7 anos de existência.

Agora, aos 20 anos, o Prolij foi representado no evento pela apresentação de um poster (exposto no dia 3 de agosto, no próprio campus da UNESP), intitulado Eu livro, tu livras, nós livramos: a transformação do não-lugar em lugar a partir da disseminação literária, que tratava do projeto vinculado Liberte um livro

As representantes desse e da Univille (Universidade da Região de Joinville) a viajarem a Presidente Prudente foram as acadêmicas bolsistas do programa, Nicole de Medeiros Barcelos, apresentadora do trabalho, e Gabrielly Pazetto, que compartilham a autoria do poster junto às professoras Berenice e Alcione, além da ex-bolsista do programa, Cymara Scremin Schwartz Sell. 

Abaixo, é possível conferi-lo na íntegra!



Gabrielly Pazetto

1981: Brasil em plena ditadura militar. A recém-revogação do AI-5 e o fim do bipartidismo levaram o país a traçar os primeiros passos para enfim restabelecer sua democracia e abandonar os férreos tempos de ditadura - mesmo assim, a população ainda estava sob as mãos de aço dos militares. 
Ruth Rocha, paulista, então com cinquenta anos, a partir da observação deste contexto, constitui a obra O que os olhos não veem. Um rei, de um reino muito distante, sofre de uma doença terrível: não consegue ver os seus súditos (porque eram muito pequenos) e não consegue ouvi-los também. Da mesma forma que os súditos do rei não eram ouvidos, nem vistos, a população brasileira no contexto da ditadura militar também não era. 
Ruth Rocha, assim, constrói uma narrativa divertida, brincando com palavras e versos em rimas espertas: “E assim, quem fosse pequeno, / da voz fraca, mal vestido, / não conseguia ser visto. / E nunca, nunca era ouvido.” 
As ilustrações de Carlos Brito, por sua vez, brincam com as cores e os tamanhos dos súditos e do rei. Através de tons vibrantes, ele ilustra barões, cavaleiros, ministros, camareiros, damas, valetes e um rei, todos bem rechonchudos. 
Desta forma, O que os olhos não veem é uma obra indispensável para se pensar sobre poder e, mesmo que o sistema político tenha mudado, continua atual, trinta anos após sua primeira publicação.

E todos juntos, unidos 
Fazendo muito alarido 
Seguiram para capital, 
Agora, todos bem altos 
Nas suas pernas de pau. 
Enquanto isso, nosso rei 
Continuava contente. 
Pois o que os olhos não veem 
Nosso coração não sente...” 

 (trecho do livro)


ROCHA, Ruth. O que os olhos não veem. Ilustr.: BRITO, Carlos. São Paulo: Moderna, 2012. 


Gabrielly Pazetto é graduanda em Letras (Língua Porutuguesa e Inglesa) pela Univille, atua como bolsista no Prolij e faz dos livros que lê barcos de viagens inesquecíveis.
Sabrine Sharon Padilha

Para qualquer um que ame ler, a descoberta das palavras pode ser um evento mágico e inesquecível, como se um novo mundo, antes escondido, se revelasse de repente. É o caso do personagem do livro O menino que descobriu as palavras, de Cineas Santos (Editora Ática, 1998). 
Com frases curtas, em forma de poesia, nós acompanhamos o menino e seu primeiro encontro com o significado das palavras, aos poucos ele vai descobrindo que existem palavras que transmitem coisas boas e coisas ruins. A sensação que nos passa é que as palavras em si são coisas vivas, entidades com personalidade própria. 
As ilustrações de Gabriel Archanjo são belas e conseguem captar e transmitir bem as intenções do texto. O menino que descobriu as palavras é um livro curto e de leitura rápida, voltado para crianças bem pequenas que estão na fase de contato inicial com a leitura, muito agradável e capaz de conectar também os mais velhos com a criança em nós que um dia, há muito tempo, viu as palavras pela primeira vez.

SANTOS, Cineas. O menino que descobriu as palavras. Ilustr.: ARCHANJO, Gabriel. São Paulo: Ática, 1998.



Sabrine Sharon Padilha é aluna do curso de História na Univille e quando sonha, ela sempre se lembra.
Evelin de Freitas Costa

Uma viagem pela história do Brasil contada de uma forma espontânea e ao mesmo tempo crítica. A repartição do mundo, de Arlene Holanda, foi publicada em 2007 pela Edições Demócrito Rocha, e busca, por meio de linguagem metafórica e poética, encontrar a explicação para um questionamento de Cauã, protagonista do conto. 
Cauã é um indiozinho com cabelos escuros e pele beijada pelo sol. Muito curioso, o pequeno curumim vive em uma tribo rodeado por animais. Ele en-tão se questiona como pode ter sido feita uma repartição tão desigual do mundo: "E tudo foi repartido, pro índio pouco sobrou, mas a alma guerreira, essa nunca se ca-lou, e o seu grito de guerra pela floresta ecoou". 
As ilustrações de Arlene Holanda e Suzana Paz, por sua vez, contam com desenhos e fotos antigas, que retratam a chegada dos portugueses ao Brasil. 
Pode-se notar que a narrativa é contada sob a perspectiva do indígena, instigando o leitor a buscar conhecer e entender ambos os lados desta mesma história, que é tão minha quanto sua. 

HOLANDA, Arlene. A repartição do mundo. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2007.



"Porque ela viaja nos livros e se encontra nas palavras, Evelin" (Estudante de Letras - Português e Inglês na Univille)
Gabrielly Pazetto
Nicole Barcelos
*Agradecimentos especiais à Cymara Sell

Pai herói, pai vilão, pai ocupado, pai que se ocupa só com os filhos... Há muitas formas de ser pai. Há pais que nem tem laços biológicos e o são, e alguns os têm e não são pais. Mas essa figura que acalenta e protege, de que tamanho e forma que for, é sempre lembrada no segundo domingo de agosto. Por essa razão, hoje também lembramos os livros em que diferentes pais e filhos expressam (ou "deixam" de expressar) sua afeição um pelo outro.

O dia em que troquei meu pai por dois peixinhos dourados, de Neil Gaiman com ilustrações de Dave McKean – O que você daria em troca de dois peixinhos dourados (e não quaisquer peixinhos, mas Sawney e Bayney, os peixes de Nathan)? Para o protagonista dessa história de Neil Gaiman e Dean McKean, seu pai parecia um bom equivalente. Quer dizer... bem, ele só lia o jornal, então que falta faria? Acontece que, ao chegar em casa com Sawney e Bayney, sua mãe o força a trocá-los de volta pelo pai. Nesse divertidamente subversivo conto, permeado pela aura de mistério tanto no texto verbal quanto no visual, o leitor é convidado a acompanhar as peripécias desse garoto que tenta, então, destrocar seu pai pelas coisas mais inimagináveis. 

Adivinha quanto eu te amo, de Sam McBratney, ilustrado por Anita Jeram – O quanto um pai pode amar o filho? E o quanto um filho pode amar o pai? No pequeno conto de Sam McBratney, Coelhinho e Coelho Pai tentam encontrar a medida do amor que tem um pelo outro. Belamente ilustrado, esse divertido jogo com ares de competição vai levá-los a descobrir que o amor não é assim tão fácil de se medir.



A boca da noite, de Cristino Wapichana com ilustrações de Graça Lima - Dum e Kupai são dois indiozinhos bem curiosos que adoram ouvir as histórias que o seu pai conta à beira da fogueira. Certa noite são surpreendidos pela história da boca da noite – uma boca gigante que engole e transforma tudo em escuridão. Nesta envolvente narrativa de Cristino Wapichana, a figura paterna é responsável pela transmissão da tradição oral e por alimentar o imaginário dos pequenos curumins. 



Gorila, de Anthony Browne – O consagrado escritor e ilustrador britânico Anthony Browne narra aqui a história da pequena Hannah, que tem uma paixão um tanto peculiar: a garota adora gorilas. Seu sonho é ter um gorila só seu, ou pelo menos ir ao zoológico para conhecer um de verdade, mas o pai, a quem Hannah recorre, sempre diz “Agora não. Estou ocupado. Quem sabe amanhã?”. Cansada de insistir tanto, ela resolve deixar sua própria imaginação levá-la ao zoo. Nesse delicado – e maravilhosamente ilustrado – livro, Browne traz um pai bastante contemporâneo que, apesar de tudo, consegue surpreender a filha no apagar das luzes.



Owl Moon, de Jane Yolen com ilustrações de John Schoenherr – Quando você sai para observar corujas, você não precisa de nada além de esperança. Essas são as palavras do pai da protagonista do sonho gelado que parece ser Owl Moon. Poética por essência, a narrativa de Jane Yolen e John Schoenherr acompanha a silenciosa aventura vivida por pai e filha em uma noite de inverno. Os silêncios aqui presentes, porém, falam muito das relações entre pais, filhos e a própria natureza – e aquecem o coração com esperança, ao som do chilrear das corujas. 



O homem que amava caixas, de Stephen Michael King – Era uma vez um homem. O homem tinha um filho. O filho amava o homem – e o homem amava caixas. Nos deliciosos versos e traços de Stephen Michael King, descobre-se, porém, muito mais do que o amor por caixas desse pai que tanto gosta delas – e a expressão de um outro amor, mesmo que bastante tímido.


As aventuras de Pinóquio, de Carlo Collodi – Mestre Cerejo não esperava que o toco de madeira que fora parar em sua oficina fosse reclamar quando tentasse transformá-lo em pé de mesa. Certo de que o toco falante guardava algo especial, presentou seu amigo Gepetto com ele, já que o carpinteiro pretendia criar um boneco articulado que soubesse dançar, lutar esgrima e dar saltos-mortais (e enriquecê-lo no processo). É assim que começam as peripécias do boneco cujo nariz cresce sem parar que o mundo inteiro ficou conhecendo como Pinóquio. Gepetto não sabia estar criando um filho ao esculpir Pinóquio, mas é isso que o pedaço de madeira transformado em menino o é: e é ele quem transforma o velho senhor em pai, e quase o faz perder o que resta de seus cabelos com suas travessuras. 



O ladrão de raios, de Rick Riordan – Percy Jackson tem 12 anos e não faz ideia de que seu pai é um antigo conhecido de muita, mas muita gente. Você também não faria, se estivesse preocupado em não ser expulso de mais uma escola e bem, escapar de ser decapitado por uma górgona. Nessa bem-humorada aventura, porém, Percy vai descobrir que há muito mais de grego em si do que seu nome.



Gabrielly Pazetto é graduanda em Letras (Língua Porutuguesa e Inglesa) pela Univille e técnica em Informática. Atua como bolsista no Prolij e faz dos livros que lê barcos de viagens inesquecíveis. 

Nicole Barcelos é graduanda em Letras na Univille (Língua Portuguesa e Língua Inglesa). Atua como bolsista do Prolij e vive se perdendo em buracos de coelho.
Kauane Cambruzzi

A Lagartixa Verde é uma história doce e é certo que o leitor há de sorrir a cada página virada. O livro conta a história dos irmãos Alice e João, que em um domingo de chuva não podem passear e por isso se dedicam a desenhar. A mãe os avisa, no entanto, que os desenhos devem ser feitos apenas no papel! Mas desenhar no papel perde a graça depois de um tempo... Ainda mais quando se pode desenhar no pé da irmã mais nova, por exemplo. 
Com a caneta verde do pai João desenha no pé de Alice uma lagartixa e a pequena ri tanto que a mãe quase descobre a peripécia. No dia seguinte vem a surpresa: a lagartixa tinha mudado de lugar! 
Mesmo sendo uma obra voltada para o público infantil, é impossível que não agrade gente de todas as idades. Todos merecem sorrisos por motivos singelos e o autor encanta a história para provocar sorrisos – sem escolher a idade. 
A cumplicidade dos irmãos, seja fazendo arte ou tentando escondê-la é contada por João Paulo Vaz e ilustrada por Claúdio Vaz e Giovana Vaz; o livro, publicado pela editora EGBA, foi vencedor do Prêmio Nacional de Literatura infanto-juvenil em 2005. 

VAZ, João Paulo. A Largartixa Verde. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo, Fundação Cultural do Estado, Empresa Gráfica da Bahia. 


Kauane Cambruzzi é graduanda em Letras (Língua Portuguesa e Língua Inglesa) na Univille. Tem os cabelos cacheados e sabe que deve agradecer à bisavó por eles, assim como deve agradecer ao pai por lhe comprar livros e à mãe por lê-los, trazendo a literatura para sua vida.
Luana Seidel

Desde que começamos a ter noção básica de humanidade, nos é ensinado que há mais de quinhentos anos, quando o Brasil nem era Brasil ainda, milhares (e milhões) de africanos foram tirados de seus lares para serem escravizados aqui. E que esta foi uma fase horrível, abominável, brutal e desumana, e que então devemos esquecê-la... Será? 
Marilda Castanha parece discordar desta idéia. Na obra “Agbalá: um lugar-continente”, publicada pela Formato Editorial em 2001, a autora relembra e detalha o sofrimento dos africanos escravizados a troco de mercadorias como cachaça, pregos, espingardas e armas. Sim, seres humanos trocados por mercadoria. 
Castanha, que também ilustra o livro, começa cada seção com um título que remete à transição de fases, como “da senzala ao campo” “da escravidão à resistência” e para falar dos deuses “de orixá a orixá"; e ilustra estes deuses, cheios de vida e de cores para nos fazer imaginar os rituais à eles “oferendados”.
É com peso no coração que os que lêem imaginam o sofrimento destes seres humanos arrancados de seus lares, brutalmente jogados em navios para tentar agüentar a fome, o clima e os maus tratos, para que os que sobrevivessem terem seus nomes retirados e trocados por “nomes aceitáveis” para a cultura católica, sua religião e cultos religiosos expressamente proibidos e sua liberdade arrancada. 
Mas, felizmente, a essência alegre e colorida africana não se deixou apagar. Driblavam a repressão dos “sinhôs” disfarçando a sua cultura rica em traços de cada um. 
 Nas últimas páginas, Castanha faz breves adendos acerca de assuntos históricos, culturais e de curiosidades relacionados à cultura africana. 
 A obra é carregada de detalhes, mas não se torna maçante; pode ser lida por diversas idades, por todos que têm interesse em saber mais sobre esta fase lamentável que faz parte do passado do Brasil, mas que deixou o legado da força da resistência do povo africano e que merece, sim, ser relembrada. 

CASTANHA, Marilda. Agbalá: um lugar-continente. Belo Horizonte: Formato Editora, 2011. 


Luana Seidel é graduanda do curso de Letras da Univille. Trocou o oxigênio por arte há tempos – e não se arrepende disso.
Gabrielly Pazetto
Nicole Barcelos

Será que para ser lobo tem que ser mau? Seria esse um requisito para um lobo se candidatar a um emprego em uma história infantil? É certo que por muito tempo essa foi uma característica marcante dessa fera de dentes afiados e astúcia no olhar, principalmente nos contos de fadas e fábulas que habitam nosso imaginário, mas não tem que ser sempre assim. Pelo menos, é isso que mostram os livros que selecionamos nesse mês, em que o lobo nem sempre é mau ou o vilão da história!

Quando o Lobo tem Fome, de Christine Naumann-Villemin com ilustrações de Kris Di Giacomo – Edmundo Bigfuça, o lobo mau desta história, é bem persistente. Na busca por devorar Max Omatose, o coelho anão, vai até seu prédio e tenta diversas abordagens para comê-lo, mas nenhuma dá certo. No final, decide virar vegetariano mesmo, muda-se para o prédio do coelho, apaixona-se por outra loba e vira presidente da Associação da Boa Vizinhança. Esta história acompanha a mudança do lobo, de mau para bonzinho e nos mostra uma faceta mais sociável deste temido vilão.

De Repente, de Colin McNaughton – O Inglês Colin McNaughton escreveu uma série de livros chamada A Preston Pig Toddler Book, que conta a história do porquinho Preston e como ele sempre consegue escapar do lobo mau. De Repente é um destes livros e narra divertidas façanhas de Preston, que, mesmo sem querer, sempre acaba despistando o lobo. Aqui, o peludo vilão se mostra bastante desastrado e rende momentos engraçados ao leitor. 

Opa!, de Colin McNaughton – Da mesma série de livros comentada anteriormente, Opa! acompanha o porquinho Preston na sua jornada para levar uma cesta de doces para sua vovozinha. Chegando na casa dela, entretanto, o porco é surpreendido pelo lobo que resolve devorar ele e sua vovó. Porém, eles são salvos pelo pai de Preston, que chega para cortar lenhas. Nesta divertida história, McNaughton brinca com Chapeuzinho Vermelho e Os Três Porquinhos e mostra um lobo de muita má índole, prestes a devorar vovozinha e neto, mas, assim como no livro anterior, vê-se mal-sucedido. 

Cuidado Com o Menino, de Tony Blundell – Os lobos são sempre vistos como criaturas astutas e sagazes, mas não é o que acontece nesta narrativa. Em Cuidado Com o Menino, o lobo mau captura um menino que anda na floresta e decide comê-lo, mas o garoto percebe os planos do lobo e o aconselha a não comê-lo cru, passando-lhe uma receita altamente elaborada que irá torna-lo, em tese, muito mais saboroso. Porém, nesta tentativa de buscar ingredientes para cozinhar o menino, o lobo se cansa e o pequeno garoto consegue escapar. Blundell mostra um lobo nada esperto e sagaz, capaz de se deixar enganar. E ao contrário da Chapeuzinho Vermelho de Perrault e dos Três Porquinhos de Joseph Jacobs, este menino se recusa a virar uma vítima do lobo. 

A Verdadeira História dos Três Porquinhos, de Jon Scieszka – Quando o lobo mau decide contar sua versão de uma história tão clássica quanto a d’Os Três Porquinhos, você deveria parar para ler. Segundo ele, nunca foi sua intenção devorar os porquinhos, ele só teve o azar de estar com um resfriado e, toda vez que espirrava, acabava destruindo a casa de um porquinho. Em A Verdadeira História dos Três Porquinhos, Jon Scieszka narra um grande clássico da literatura infantil sob um outro ponto de vista: a do vilão da história. 

O mais malandro, de Mario Ramos – Tudo começa quando o Lobo avista Chapeuzinho Vermelho indo pela floresta à casa de sua vovozinha. Com planos de fazer um bom jantar, a fera engana a garota e busca chegar antes dela ao seu destino. Porém, enganado mesmo está quem pensa que o fim dessa história envolve um caçador abrindo-lhe a barriga e retirando de lá neta e avó. Em O mais malandro, nada dá certo para esse Lobo desajeitado, a começar por seu disfarce, até àquela que irá ajuda-lo a sair dessa enrascada. 

Procura-se lobo, de Ana Maria Machado com ilustrações de Laurent Cardon – Esta é a história de Manuel, que era Lobo mas não era lobo. Ora, Manuel Lobo era homem e não fera, e estava apenas procurando um emprego quando leu num anúncio que precisavam de lobos em uma empresa local. Lobo acabou se candidatando, sob a crença que não havia chances de que tais animais lessem jornal. Apesar de não ser bem o que os empregadores buscavam, ele escrevia muito bem, gostava de ler e conhecia muitas histórias, então foi contratado para ser “respondedor de cartas de lobos”. Manuel Lobo, assim, acaba encontrando muitas das feras vivas em nosso imaginário, de Chapeuzinho Vermelho, aos Três Porquinhos e os Sete Cabritinhos, além de um lobo que virou bolo por causa de uma menina de Chapeuzinho Amarelo, e faz pensar sobre o lobo e o homem, vivos na figura desse animal desde as primeiras fábulas de nossa história. 

Um lobo instruído, de Becky Bloom e Pascal Biet – Quando o Lobo chega a uma fazenda qualquer, em uma cidade pela qual passava, pretende apenas saciar sua fome e seguir seu caminho. No entanto, ao encontrar os animais lendo, sem dar a mínima para a suposta ameaça que um predador representava, ele resolve descobrir o que há de tão especial nos livros e na leitura. Em tal percurso, porém, esse Lobo irá acabar esquecendo da sua fome física – e descobrir uma outra fome em seu interior.



Gabrielly Pazetto é graduanda em Letras (Língua Portuguesa e Inglesa) pela Univille e técnica em Informática. Atua como bolsista no Prolij e faz dos livros que lê barcos de viagens inesquecíveis.

Nicole Barcelos é graduanda em Letras na Univille (Língua Portuguesa e Língua Inglesa). Atua como bolsista do Prolij desde 2014 e vive se perdendo em buracos de coelho.
Bruna Furlan

Publicada pela editora Melhoramentos, Mumi Sem Memória, de Gabriele Clima, retrata com simplicidade uma narrativa tão suave quanto o protagonista dessa obra. 
Mumi é um garoto simples e que esquece, rapidamente, de tudo. Ele só não esquece do caminho de sua casa, pois, para onde quer que vá, leva consigo um fio de lã amarrado em seu tornozelo. As pessoas do vilarejo não são nem um pouco simpáticas com Mumi, mas ele, sempre meigo e tranquilo, nunca recorda das brincadeiras malvadas delas. 
Chiara Carrer, ilustradora da obra, por sua vez, seleciona elementos para criar composições que são narrativas por si só. A cada página, diferentes técnicas são utilizadas para desenhar a história e, com cores leves, várias texturas e distintos traços, Carrer traz delicadas ilustrações ao texto. 
 Porém, tudo começa a mudar com a chegada de um rico homem ao vilarejo, o que chama a atenção de seus moradores. Logo a inveja toma conta deles, causando uma transformação na dinâmica do próprio povoado. 
 Apesar de tudo, Mumi continua sendo o mesmo: um garoto alegre, tranquilo, bondoso e que se esquece de tudo. Será o comportamento dócil desse menino a lembrar às pessoas de valores que vão além dos materiais, transformando, por fim, a realidade em que vivem. 

CLIMA, Gabriele. Mumi sem memória. Ilustr.: CARRER, Chiara. São Paulo: Melhoramentos, 2013.



Bruna Furlan é graduanda em Letras (Língua Portuguesa e Inglesa) na Univille e acredita que as palavras gentis são sempre a melhor escolha.
Letícia Marques Hesmesmeyer

O Menino e o Tempo, escrito por Bia Hetzel, ilustrado por Graça Lima, publicado pela Editora Manati é disposto em vinte e três páginas ilustradas. A obra infanto-juvenil foi publicada em 1999 e conta a história de Gustavo, uma ingênua criança que encontra refúgio em uma pedra de um rio. 
Gustavo é uma criança que busca em certo rio, um esconderijo, um lugar para esfriar o pensamento e para concentrar-se apenas no chiado do rio. Nesse lugar cheio de boas sensações, o menino faz novas descobertas e encaixa-se às circunstâncias e características de lá. Para ele, tudo em sua volta muda e evoluí, ao contrário do rio, que permanece imutável: “O tempo passa. O sol se esconde atrás da montanha. O ninho de pedra escurece, esfria. O tempo passa. Só o rio não muda” (p. 7). Sua fértil imaginação também fazia Gustavo ver em simples fósseis, as imagens de dinossauros percorrendo por ali. 
A linguagem utilizada por Bia Hetzel é agradável e de fácil compreensão, embora haja metáforas. O intuito principal da autora nessa obra não é apenas contar a história de um menino que passava horas e horas à beira de um rio, mas sim levantar questões reflexivas sobre a temporalidade. Por isso, a leitura deste livro é indicada para crianças e adolescentes, porém terá melhor aproveitamento aqueles que tiverem a leitura mediada por um adulto, por tratar de metáforas, algumas vezes, de difícil compreensão para o público infanto-juvenil, como em: “Mas o rio não corre para trás. O rio corre para sempre. O rio corre para sempre e nunca mais.” (p. 9). 
As ilustrações de Graça Lima são coloridas e estão presentes em páginas inteiras, contrastando com a página ao lado que contém o texto escrito. Elas são simples, porém muito poéticas. Além disso, por essa simplicidade lembram desenhos de uma criança, ocorrendo, assim, um processo de identificação do seu público leitor e facilitando a compreensão da história. As ilustrações feitas por Lima servem como complemento para o entendimento da obra. O que mais me chamou a atenção no texto foi a abordagem de Hetzel sobre o existencialismo e o tempo em uma obra infanto-juvenil. Com o tempo, a angústia do tempo pairava no peito de Gustavo, que a domava e ainda brincava com ela. A autora ainda faz indagações aos leitores, sobescritas nas falas do menino: “Como seria o mundo antes de ele nascer? Como será o mundo depois de ele morrer?” (p. 14). 



Letícia é estudante de Letras, tem 20 anos e é apaixonada pela vida, pelos sonhos, pelas pessoas, pela felicidade e, sobretudo, pela paz interior. É professora de Língua Inglesa e não consegue ver-se fora desse mundo de constante aprendizagem. Adoraria viajar ao redor do mundo, conhecer novas culturas e descobrir como as pessoas encaram a vida. Sua alma é sonhadora e a liberdade é sua principal matéria. Acredita, assim como Paulo Freire, que a “educação não transforma o mundo. Educação muda as pessoas. Pessoas transformam o mundo”.
Sabrine Padilha

Uma galinha astuta, uma lebre esperta e um gato gordo e comilão são alguns dos protagonistas dos nove contos escritos e ilustrados por Debi Gliori em “Histórias Para Ler na Cama” (Companhia das Letrinhas, 2002). 
Cada um dos contos trata de adaptar algumas fábulas famosas e lhe dar um humor mais moderno, incorporando às histórias clássicas elementos novos. O resultado é mais do que positivo. 
Como é típico das fábulas, estas trazem ao final um tipo de lição, por exemplo: seja solidário (A Galinhazinha Vermelha), não seja guloso (O Gato Gordo), e, é claro, não tente devorar seus vizinhos (Sopa de Prego). 
As ilustrações de Gliori são belíssimas e acrescentam muito aos contos, que são divertidos e nada previsíveis em sua nova roupagem, tendo uma originalidade bastante peculiar que faz o leitor não conseguir parar até terminar todo o livro. 


GLIORI, Debi. Histórias para ler na cama. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2002.


Sabrine Sharon Padilha é acadêmica do curso de História da Univille e quando ela sonha, ela sempre se lembra.
Viviane Padilha

O livro A hora da Caipora, de Regina Chamlian (Editora Ática, 1998), faz parte da Coleção Contos de Espantar Meninos criados a partir dos mitos do folclore brasileiro.
A Caipora é a senhora das florestas, protegendo a mata dos caçadores que desrespeitam a natureza. Quando o menino Zezinho e seus irmãos se aventuram pela mata, encontram o espectro de Guilherme Limões, um caçador atrevido que ousou desafiar a Caipora. O espectro, disposto a contar sua história, relata as desventuras desse encontro, enchendo os meninos de medo e dá uma grande lição sobre a importância das matas.
O livro é recheado de sustos com sua atmosfera envolvente e bom humor, fazendo reconhecer diversos personagens do folclore brasileiro que permeiam o imaginário coletivo da nação. As ilustrações de Helene Alexandrino deixam a história ainda mais tenebrosa, alternando entre imagens coloridas e pequenos quadros em preto e branco.
A hora da Caipora prende o leitor da primeira à última página e a mata como cenário principal hipnotiza o leitor que se rende ao livro como os meninos se renderam à história de Guilherme Limões. Seja em frente a uma fogueira na mata ou no sossego do seu quarto, a Caipora com certeza conquistará o jovem leitor.



Viviane Elaine Padilha é acadêmica do terceiro ano de Pedagogia, e gostaria de ter um dedo verde para tornar o mundo um lugar melhor.
Nicole Barcelos

Chapeuzinho Amarelo é amarelada de medo. Tem medo de tudo, essa Chapeuzinho. Não fala, não anda, não vai à rua, não brinca. Está, a todo tempo, à margem – porque tem medo. Mas seu medo mais que medonho não é o de se sujar, ou de engasgar, ou de ter pesadelos: é de um lobo, um lobo que nunca se vê.
Sua presença, porém, é tão latente, tão amedrontadora, que a menina parece que está para topar com ele à cada esquina, de tanto pensar nele. É através de seu “encontro” com o medo, porém, que Chapeuzinho se dará conta de que o lobo pode ser, na verdade, outra coisa.
Não por acaso escrito na década de 1970, no auge de uma ditadura, em Chapeuzinho Amarelo, a protagonista que dá nome ao moderno conto de fadas de Chico Buarque tem um destino bastante diferente do de suas contrapartes europeias de Perrault e Grimm (e, se alguma coisa, é ela quem dá uma lição no seu próprio lobo).
 Com as ilustrações em preto, branco, amarelo e vermelho de Donatella Berlendis, esse livro-poema tem também uma narrativa visual rica em simbolismo e sugestão. Na reedição dos anos 1990 da editora José Olympio, Ziraldo é quem assina a ilustração - e apesar de revisitar alguns dos conceitos propostos pela primeira ilustradora, cria uma narrativa visual com menos sugestões simbólicas e mais ilustrativa do próprio texto escrito.
A poesia de Chico Buarque, porém, é de leveza e força quiçá subversiva, coroando o debut do autor na literatura infantil em um tempo não menos oportuno para tal.

BUARQUE, Chico. Chapeuzinho amarelo. São Paulo: Berlendis & Vertecchia, 1979.
BUARQUE, Chico. Chapeuzinho amarelo. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997.



Nicole Barcelos é graduanda em Letras na Univille (Língua Portuguesa e Língua Inglesa). Atua como bolsista do Prolij desde 2014 e vive se perdendo em buracos de coelho.
Evelin de Freitas Costa 

É em volta da fogueira que as histórias criam vida. Daniel Mundukuru, em seu As peripécias do jabuti, conta três histórias e em todas elas o protagonista é o Jabuti. O livro foi publicado em 2007 pela editora Mercuryo Jovem. Os desenhos feitos por Ciça Fittipaldi lembram em muitos momentos as estampas indígenas. 
Pelo fato de ser indígena, o autor pode passar suas experiências em forma de fábula, uma vez que todas as três narrativas trazem uma lição muito parecida, as quais o autor aprendeu com o pajé da nação Munduruku. 
A linguagem utilizada pelo autor é clara e não lança mão de muitas metáforas, o que reduz a possibilidade de diferentes interpretações. Todos os animais se surpreendem com a agilidade e esperteza do Jabuti, e os indiozinhos em volta da fogueira ficam admirados com a sabedoria do pajé e seu maracá com aquela melodia "que tinha a finalidade de manter o céu suspenso". 

MUNDURUKU, Daniel. As Peripércias do Jabuti. São Paulo: Mercuryo Jovem, 2007.



"Porque ela viaja nos livros e se encontra nas palavras, Evelin" (Estudante de Letras - Português e Inglês na Univille)
Gabrielly Pazetto

“Murucututu da beira do telhado
leva esse menino que não quer ficar calado” 
(tradicional cantiga indígena)

Em Murucututu, Marcos Bagno aborda a lenda indígena homônima, de uma grande coruja que aparece (de vez em quando). Alguns povos acreditam que ela traz sorte, outros acreditam que anuncia a morte, mas na história de Bagno ela cuida para que as crianças durmam na hora certa, e fica à espreita, quase como um bicho-papão.
Em uma pequena casa rodeada de mato vive uma menininha muito sabida e sua avó cozinheira que conta a ela a história do Murucututu: a grande coruja da noite que fica de olho nas criancinhas que dormem até tarde, caso isso aconteça, ele vem e leva a criança para um passeio lá no alto e depois joga ela lá de cima.
A menina, porém, não dá muita bola e até acha graça da avó acreditar nessa história. Porém, quando chega a noite, ela não consegue resistir às guloseimas produzidas pela senhora e, quando descoberta, culpa a grande coruja pelos furtos e a sua avó, bastante crédula, acredita nela até que, em uma noite... a coruja aparece para a menina - de verdade - e a leva para um voo noturno cheio de descobertas. Assim, a criança descobre que a coruja não é nada má e sente um grande prazer em vagar pela noite com ela. Resgatando uma das interpretações que o Murucututu tem em algumas tribos indígenas, Bagno apresenta uma coruja que, depois de um tempo, vem buscar a menina em seu leito de morte, agora velha, para o seu voo eterno no céu.
A narrativa, cheia de perguntas e mistérios, envolve o leitor que se vê voando bem alto junto com a menina e seu amigo Murucututu. A lenda ganha complexidade e delicadeza na escrita de Bagno e as descrições são de tirar o fôlego: “o longo rio lento é uma serpente mole e lânguida, que faz suas curvas com a preguiça de quem não teme o passar das eras. O rio é escuro, oleoso, e suas águas brilham quando a lua se derrama, líquida também, sobre sua pele movediça”.
Os tons das ilustrações de Nelson Cruz trazem o Murucututu de maneira bastante detalhada, quase palpável. A avó, retratada como uma matrona forte, também ganha destaque, enquanto a menina, na sua aparente fragilidade, é desenhada de forma minúscula em comparação aos outros elementos das ilustrações.
Desta forma, o livro Murucututu é um prato cheio para quem busca uma história mística, envolvente e extremamente delicada.

BAGNO, Marcos. Murucututu. São Paulo: Ática, 2005.



Gabrielly Pazetto é graduanda em Letras (Língua Porutuguesa e Inglesa) pela Univille e técnica em Informática. Atua como bolsista no Prolij e faz dos livros que lê barcos de viagens inesquecíveis.
Gabrielly Pazetto
Luana Simão
Nicole Barcelos
*Agradecimentos especiais à Cymara Sell

O segundo domingo de maio é tradicionalmente o domingo para nos lembrarmos da figura que nos alenta, ampara e conforta: mãe. Seja ela de sangue ou de criação, este é um dia excelente para um café, biscoitos e... livros. Pensando nessa data, preparamos uma lista com treze livros que contam histórias que retratam as mais diversas mães – com os mais diferentes filhos.

Mamãe Trouxe um Lobo para Casa, de Rosa Amanda Strausz, com ilustrações de Fernando Nunes – Um divertido menino se vê em uma situação desconfortável quando sua mãe traz um lobo (de verdade) para morar com eles e ambos têm de aprender a lidar um com o outro. Nesta narrativa, a autora aborda a realidade de muitas mães divorciadas que decidem se casar novamente. A história partiu de uma experiência pessoal de Strausz, que afirma: “Hoje, eu, Diogo [filho] e meu novo marido vivemos muito felizes. Garanto a vocês que ninguém morde ninguém”.

Fico à espera, de Davide Cali e Serge Bloch – Nesta envolvente história rica em ilustrações, acompanhamos a narrativa quase inteiramente visual de uma vida inteira ligada por fios: criança, adolescente, adulto, idoso, todas essas fases se apresentam e se entrelaçam para formar uma composição emocionante nesta obra dos europeus Cali e Bloch.

Tchau, de Lygia Bojunga Nunes – Conto que dá nome ao livro homônimo, Tchau é a história de Rebeca, de seu irmão Donatelo, de seu Pai e sua Mãe, e de suas despedidas. No primeiro conto de uma seleção de quatro, Lygia Bojunga tece com leveza infantil o retrato amargo de muitos Pais e Mães – e de seus filhos que ficam para trás.

Orie, de Lucia Hiratsuka – Orie é uma pequena menina em um grande mundo. Acompanhando seus pais, em seu barco a cruzar os caminhos, ela passa a conhecer ao lado deles, pouco a pouco, as novidades que os lugares guardam aos seus olhos cheios de novidade. Em sua história repleta de vai-e-vens, Orie por vezes se deixa levar pela vida, e por vezes se deixa ficar. Porém, é com esse ir e vir, poeticamente escrito e ilustrado por Lucia Hiratsuka, que a menininha deixa de ser tão pequena assim – e aprende a deixar o ninho.

Pacto no bosque, de Gustavo Martin Garzo, com ilustrações de Beatriz Martin Vidal – Já recomendado como uma leitura de Páscoa, essa é uma história de mães e filhos. Todas as noites, Paula e Gustavo pedem à mãe para que conte a história de dois filhotes de coelho que, perdidos no bosque, encontram uma loba que está para dar cria. Pelas palavras da mãe, as crianças se transformam nos próprios coelhinhos que ajudam uma outra mãe: a loba que tem seus filhotes. Em uma narrativa que inspira o “fazer o bem sem olhar a quem”, o encanto das palavras de Gustavo Martin Garzo ganha vida nas ilustrações quase surreais de Beatriz Martin Vidal.

A diaba e sua filha, de Marie NDiaye, com ilustrações de Nadja – Em um lugar qualquer, em um tempo qualquer, vaga pela noite uma diaba. De porta em porta, ela vai indagando quem encontra no caminho a respeito do paradeiro de sua filha que sumiu sem deixar vestígios e da qual não lembra direito. NDiaye constrói nesse curto, porém profundo conto, uma narrativa sobre identidade, medo e preconceito em que todos nós poderíamos ser a diaba e aqueles que fecham suas portas para ela.

A galinha que criava um ratinho, de Ana Maria Machado, com ilustrações de Mariana Massarani – Cheios de vontade de ter um filho, um galo e uma galinha adotam um ratinho para criar e formam uma família bem feliz (e inusitada). Nesta curiosa fábula, Ana Maria Machado nos brinda com uma narrativa cheia de intertextualidades e uma moral um tanto quanto surpreendente. Completando o arco, os traços de Mariana Massarani deixam tudo ainda mais delicado.

A bruxa Salomé, de Audrey Wood, com ilustrações de Don Wood – Uma mãe sai para comprar mantimentos e avisa aos seus sete filhos: “Tenham muito cuidado e lembrem-se: não deixem ninguém estranho entrar nem cheguem perto do fogo”. Quando esta regra não é obedecida, é claro, uma grande confusão acontece. As ilustrações realistas de Don Wood e a história de Audrey Wood, sua esposa, fazem desta história uma ótima leitura para nos lembrar da força e da determinação que uma mãe pode ter.

João e Maria, de Neil Gaiman, com ilustrações de Lorenzo Mattotti – Nesta versão do clássico dos irmãos Grimm, Neil Gaiman traz uma mãe cruel, que convence o pai a abandonar João e Maria na floresta para que eles não precisem compartilhar sua comida com os filhos. Perdidos, eles se veem na casa de uma velhinha nada bondosa. Esta história reafirma a imagem da mãe insensível que os próprios Grimm haviam trazido no conto original. O italiano Lorenzo Mattotti completa a composição trazendo ilustrações em preto e branco, coroando o tom sombrio e excêntrico que permeia toda a narrativa.

Tudo e todas as coisas, de Nicola Yoon – Quando era um bebê, Madeline foi diagnosticada com uma doença que a tornava alérgica a todas as coisas. Desde então, nunca saiu de casa, tendo por companhia somente a mãe, a enfermeira e os livros. Agora, na adolescência, depois que uma nova família muda-se para a casa ao lado, Maddy percebe que o mundo e os sentimentos que já experimentou são muito mais amplos do que os limites de sua janela.

O Castelo Animado, de Diana Wynne Jones – Sophie não esperava nada de si mesma, tinha uma vida bem monótona e conformada, vivia na chapelaria que herdara do pai com as irmãs e a madrasta. Quando o feitiço de uma bruxa a torna uma velha de 90 anos, ela percebe que já não tem muito a perder e acaba por ir trabalhar no castelo do terrível mago Howl. Como nem tudo é como parece, Sophie vai ser desafiada a ver as coisas e as pessoas com outro olhar, assim como o livro, que desafia o leitor a ver a relação de madrasta e enteada além daquela dos contos de fadas.

Os Garotos Corvos, Maggie Stiefvater – Blue Sargent é a única não-medium em uma família de médiuns. Ela vive com a mãe, tias, primas e amigas em uma casa que parece mais uma entidade do que uma família, na verdade. Avisada pelas mulheres de sua vida de que se um dia beijasse o amor de sua vida, ele morreria, Blue se vê envolvida com um grupo de pessoas que sempre jurou manter longe. O livro é o primeiro de uma quadrilogia, em que os desafios vão além da aventura, os personagens irão em busca de um passado, de um futuro e de quem essencialmente são.



Gabrielly Pazetto é graduanda em Letras (Língua Porutuguesa e Inglesa) pela Univille e técnica em Informática. Atua como bolsista no Prolij e faz dos livros que lê barcos de viagens inesquecíveis.

Luana Simão é graduanda em Letras na Univille (Língua Porutuguesa e Inglesa) e divide seu tempo vago lutando em batalhas épicas, governando reinos distantes e viajando pelo hiperespaço.

Nicole Barcelos é graduanda em Letras na Univille (Língua Portuguesa e Língua Inglesa). Atua como bolsista do Prolij desde 2014 e vive se perdendo em buracos de coelho.
Tecnologia do Blogger.